VMREALIZE

19 Artigos

Leituras: 1.265 pessoas leram seus artigos

Agradecimentos: 225 pessoas curtiram seus artigos

Colunista desde: 04/2023

Site: https://vinicius.sites.softunico.com.br/

SOBRE O RESPONDEDOR:

Vmrealize é Gestor de Negócios e acadêmico de Direito cursando arquitetura com formação em Direito , está entre os TOP 30 corretores(as) com domínio em diversas áreas como: Jurídico Imobiliário, Negociação, Imóveis, Financiamento, Documentação e etc, possuindo um total de 19 artigos publicados e mais 1.899 respostas em nosso fórum. Está no mercado imobiliário desde 2014 atuando principalmente nos bairros Região da pampulha, Contagem , Lagoa santa , Santa luzia e Vespasiano , e já trabalhou em empresas como: Passos , Mrv , W.solida , Deltalar imóveis , Mdt negocios imobiliarios e Nova casa imoveis.

 programas de moradia para famílias de baixa renda

Casa Verde e Amarela

programas de moradia para famílias de baixa renda

11/04/2024

Os programas de moradia para famílias de baixa renda desempenham um papel crucial na garantia do direito à habitação digna para aqueles que enfrentam dificuldades socioeconômicas. No Brasil, diversos programas governamentais foram criados com o objetivo de fornecer moradias acessíveis e adequadas para a população mais vulnerável. Um dos principais programas é o Minha Casa, Minha Vida, lançado em 2009. Este programa visa a construção de unidades habitacionais para famílias de baixa renda, oferecendo subsídios e condições de financiamento facilitadas. O Minha Casa, Minha Vida tem contribuído significativamente para a redução do déficit habitacional no país e para a melhoria das condições de vida de milhares de pessoas. Além disso, existem iniciativas como o Programa de Habitação de Interesse Social (PHIS) e o Programa Nacional de Regularização Fundiária (PNRF), que buscam regularizar assentamentos informais e garantir segurança jurídica para as famílias que vivem nessas áreas. A regularização fundiária é essencial para o acesso a serviços básicos, como água potável, energia elétrica e saneamento, além de promover a inclusão social e o desenvolvimento urbano sustentável. No entanto, apesar dos avanços conquistados por esses programas, ainda existem desafios a serem superados. A falta de planejamento urbano adequado, a concentração de programas em determinadas regiões e a burocracia excessiva são alguns dos obstáculos que dificultam a eficácia e a abrangência dos programas de moradia de baixa renda. Portanto, é fundamental que haja uma análise criteriosa dos principais programas de moradia para famílias de baixa renda, a fim de identificar suas potencialidades e limitações, buscando soluções inovadoras e sustentáveis para garantir o acesso universal à moradia digna e promover a inclusão social e o desenvolvimento humano. A construção de políticas públicas eficientes e participativas é essencial para enfrentar os desafios da habitação de interesse social e garantir o direito à cidade para todos os cidadãos. A moradia é um direito fundamental garantido pela Constituição, porém muitas famílias de baixa renda enfrentam dificuldades para adquirir uma casa própria. Programas governamentais, como o Minha Casa Minha Vida, têm sido essenciais para amenizar esse problema, proporcionando condições facilitadas para a aquisição da moradia. A análise desses programas é fundamental para identificar seus impactos e necessidades de melhorias.

FGTS - Como Sacar seu FGTS e Comprar um Imóvel

FGTS

FGTS - Como Sacar seu FGTS e Comprar um Imóvel

09/04/2024

Para utilizar o FGTS na compra de um imóvel, primeiro verifique se atende aos requisitos, como ser titular de conta FGTS há pelo menos três anos, não possuir outro financiamento ativo no SFH e não ser proprietário de imóvel no mesmo município onde pretende adquirir o novo imóvel.    Encontre um imóvel que se enquadre nos limites estabelecidos para utilização do FGTS, como valor máximo de avaliação e localização. Busque um banco que ofereça financiamento imobiliário pelo SFH e que aceite o uso do FGTS. Solicite seu extrato do FGTS para verificar o saldo disponível. Faça uma simulação do financiamento indicando o valor do imóvel e da entrada.   Após aprovado, reúna a documentação necessária, como RG, CPF, comprovantes de renda e residência, para solicitar a liberação do FGTS junto ao banco. Apresente os documentos e aguarde a aprovação. Após a liberação, o saldo do FGTS será descontado do valor total do financiamento.   Com a aprovação, realize o pagamento da entrada do imóvel e assine o contrato de financiamento. O banco cuidará dos trâmites burocráticos. Acompanhe o processo e realize os pagamentos mensais em dia.   OBS: (Importante )  Se você optar pelo saque-aniversário, não poderá utilizar o saldo total de sua conta do FGTS para comprar um imóvel, pois o saque estará limitado ao valor anual disponível no mês do seu aniversário. Essa restrição pode dificultar ou inviabilizar a utilização do FGTS como parte do pagamento na compra de um imóvel. Se a intenção é utilizar o FGTS significativamente na aquisição de um imóvel, talvez seja mais viável manter a modalidade de saque-rescisão, que garante o acesso ao saldo total do FGTS em caso de demissão sem justa causa e possibilita o uso desse valor na compra de um imóvel. É fundamental buscar orientação junto a um profissional credenciado CRECI  Enfim, ao quitar o financiamento, o imóvel será oficialmente seu. Este processo requer cuidado e planejamento, por isso, é importante contar com a orientação de um especialista para garantir que tudo transcorra conforme o planejado. Com a devida análise e cuidado, a compra de um imóvel com uso do FGTS pode ser uma excelente oportunidade para realizar o sonho da casa própria.

Passo a Passo de Como Comprar um Imóvel com FGTS

FGTS

Passo a Passo de Como Comprar um Imóvel com FGTS

09/04/2024

1. Primeiramente, verifique se você atende aos requisitos para utilizar o FGTS na compra de um imóvel, como ter no mínimo três anos de trabalho com carteira assinada, não possuir outro financiamento ativo no SFH (Sistema Financeiro de Habitação) e não ser proprietário de outro imóvel no mesmo município onde deseja adquirir o novo imóvel. 2. Procure um imóvel que se enquadre nas condições para utilização do FGTS, como ter valor máximo de avaliação de R$ 1,5 milhão e estar localizado no município onde você trabalha ou mora. 3. Encontre um banco ou instituição financeira que ofereça financiamento imobiliário pelo SFH e que aceite o uso do FGTS como parte do pagamento. 4. Solicite o extrato do FGTS para verificar o saldo disponível e a possibilidade de utilizá-lo na compra do imóvel. 5. Faça a simulação do financiamento imobiliário, informando o valor do imóvel, a entrada que deseja dar e a quantidade de parcelas que pretende pagar. 6. Após a aprovação do financiamento, reúna a documentação necessária para a liberação do FGTS, como comprovante de residência, RG, CPF, comprovantes de renda, entre outros documentos exigidos pelo banco. 7. Apresente os documentos ao banco e solicite a liberação do FGTS para utilização no pagamento do imóvel. Aguarde a análise e aprovação do uso do FGTS. 8. Após a liberação do FGTS, o banco irá descontar o valor do saldo do FGTS do total do financiamento, reduzindo assim o valor das parcelas a serem pagas. 9. Efetue o pagamento da entrada do imóvel e assine o contrato de financiamento com o banco, onde constará a utilização do FGTS como parte do pagamento. 10. Após a assinatura do contrato, o banco irá providenciar todos os trâmites necessários para a liberação do valor do financiamento e a transferência do imóvel para o seu nome. 11. Por fim, fique atento aos prazos e condições estabelecidos no contrato de financiamento e efetue o pagamento das parcelas mensais do financiamento dentro do prazo para evitar atrasos e possíveis problemas no futuro. Lembre-se de sempre buscar orientação de um especialista em financiamento imobiliário para garantir que todas as etapas sejam feitas corretamente e sem complicações.

Passo a passo para fazer a escritura de um imóvel

Cartório

Passo a passo para fazer a escritura de um imóvel

09/04/2024

A escritura de um imóvel é um documento legal que formaliza a transferência de propriedade de um bem imóvel. Esse processo é essencial para garantir a segurança jurídica da transação e evitar problemas futuros. Para fazer a escritura de um imóvel, siga os seguintes passos: 1. Reunir a documentação necessária: Antes de iniciar o processo de escrituração, é importante reunir todos os documentos relacionados ao imóvel, como certidões atualizadas, comprovante de quitação de impostos e taxas, e documentos de identificação dos proprietários. 2. Contratar um Cartório de Notas e um Tabelião: A escritura de um imóvel deve ser lavrada em Cartório de Notas e assinada por um Tabelião. É importante escolher um profissional de confiança para garantir a legalidade do documento. 3. Agendar a escrituração: Após reunir toda a documentação necessária, é preciso agendar um horário com o Cartório de Notas e levar todos os documentos e as partes envolvidas na transação para assinar a escritura. 4. Realizar o pagamento das taxas: Antes da assinatura da escritura, é necessário realizar o pagamento das taxas cartoriais e emolumentos relativos ao serviço prestado pelo Tabelião. 5. Assinar a escritura: No dia agendado, as partes envolvidas na transação devem comparecer ao Cartório de Notas para assinar a escritura de transferência de propriedade do imóvel. 6. Registrando a escritura: Após a assinatura da escritura, é necessário registrar o documento no Cartório de Registro de Imóveis competente. O registro da escritura garante a publicidade da transação e a validade jurídica da transferência de propriedade. 7. Obter a matrícula atualizada: Após o registro da escritura, é importante solicitar a matrícula atualizada do imóvel no Cartório de Registro de Imóveis. A matrícula é o documento oficial que comprova a propriedade do imóvel e contém todas as informações sobre a sua situação jurídica. Ao tomar esses cuidados e seguir os passos corretamente, é possível realizar a escritura de um imóvel de forma segura e sem complicações, garantindo a validade jurídica da transação e a tranquilidade das partes envolvidas.  Portanto, seguindo esses passos e contando com a orientação de profissionais qualificados, é possível fazer a escritura de um imóvel de forma segura e legal, garantindo a tranquilidade e a validade da transação.  

Passo a Passo de Como Financiar um Imóvel

Casa Verde e Amarela

Passo a Passo de Como Financiar um Imóvel

09/04/2024

Atualmente, muitas pessoas sonham em adquirir a casa própria, porém nem todas têm a quantia necessária para pagar à vista. Por isso, o financiamento de imóveis é uma opção bastante utilizada. Para financiar um imóvel, é importante seguir alguns passos e se planejar adequadamente. A seguir, apresento um passo a passo de como financiar um imóvel: 1. Avalie sua situação financeira: Antes de procurar um financiamento, é essencial analisar sua situação financeira, levando em consideração sua renda mensal, despesas fixas, reserva de emergência, entre outros fatores. 2. Pesquise as opções de financiamento: Existem diversas instituições financeiras que oferecem financiamento de imóveis, por isso é importante pesquisar as melhores taxas de juros, prazos de pagamento e condições de pagamento. 3. Faça uma simulação: Antes de solicitar o financiamento, faça uma simulação online para ter uma ideia de quanto ficaria o valor das parcelas e o total a ser pago. 4. Providencie a documentação necessária: Para solicitar um financiamento de imóvel, é preciso apresentar documentos como RG, CPF, comprovante de renda, comprovante de residência, entre outros. 5. Faça uma proposta de financiamento: Após escolher a instituição financeira e reunir a documentação necessária, é hora de fazer a proposta de financiamento, informando o valor do imóvel, a entrada que será dada e o prazo de pagamento desejado. 6. Aguarde a análise de crédito: A instituição financeira irá analisar sua proposta e realizar uma análise de crédito para verificar sua capacidade de pagamento. 7. Assine o contrato: Após a aprovação do financiamento, será necessário assinar o contrato com a instituição financeira, onde constarão todas as condições do financiamento. 8. Realize o pagamento da entrada: Geralmente, é necessário dar uma entrada ao financiar um imóvel, por isso é importante se programar para fazer esse pagamento. 9. Realize os pagamentos das parcelas mensais: A partir da assinatura do contrato, será necessário realizar os pagamentos das parcelas mensais do financiamento de acordo com o prazo estabelecido. Seguindo esse passo a passo, é possível financiar um imóvel de forma segura e planejada, garantindo a realização do sonho da casa própria. No entanto, é importante sempre estar atento às condições do financiamento e garantir que as parcelas cabem no seu orçamento mensal.

Contrato de Gaveta: Os Riscos Ocultos na Compra e Venda

Imóveis

Contrato de Gaveta: Os Riscos Ocultos na Compra e Venda

09/04/2024

"Contrato de Gaveta: Os Riscos Ocultos na Compra e Venda de Imóveis" O contrato de gaveta é uma prática comum no mercado imobiliário, mas que pode esconder diversos riscos para ambas as partes envolvidas. Este tipo de contrato consiste em uma transação informal, na qual o comprador adquire um imóvel diretamente do vendedor, sem a necessidade de registro em cartório. Apesar da praticidade e agilidade que o contrato de gaveta oferece, é importante ressaltar que ele não possui validade jurídica perante terceiros, ou seja, não garante a segurança da transação. Isso significa que o comprador corre o risco de não ter a propriedade do imóvel reconhecida legalmente, podendo enfrentar problemas futuros, como disputas judiciais ou até mesmo o risco de perder o imóvel por falta de regularização. Além disso, o contrato de gaveta também pode ocultar informações importantes, como dívidas pendentes, problemas estruturais no imóvel ou até mesmo a existência de terceiros com direitos sobre o imóvel. Essas questões podem gerar prejuízos financeiros e transtornos para o comprador, que muitas vezes só descobre a situação após a conclusão da compra. Outro ponto de atenção é a possibilidade de fraude, uma vez que o contrato de gaveta permite que o vendedor transfira a propriedade do imóvel sem notificar a instituição financeira responsável pelo financiamento original. Isso pode resultar em problemas com a ação de busca e apreensão do imóvel, caso haja inadimplência por parte do vendedor. Diante dessas questões, é fundamental que tanto o comprador quanto o vendedor estejam cientes dos riscos envolvidos no contrato de gaveta e busquem a orientação de um advogado especializado em direito imobiliário. É essencial realizar uma análise minuciosa da situação, verificando a regularidade do imóvel, a existência de ônus e pendências financeiras, bem como a possibilidade de regularização junto aos órgãos competentes. Em resumo, o contrato de gaveta pode ser uma opção rápida e prática para a compra e venda de imóveis, mas é importante ter em mente os riscos envolvidos e tomar as devidas precauções para evitar problemas futuros. A transparência e a legalidade são fundamentais para garantir a segurança e a tranquilidade de ambas as partes envolvidas nesse tipo de transação imobiliária.

"Os perigos do refinanciamento de imóvel

Financiamento

"Os perigos do refinanciamento de imóvel

09/04/2024

Para aliviar a pressão financeira imediata, muitas pessoas recorrem ao refinanciamento de imóvel, uma opção que pode parecer atraente à primeira vista, mas que também apresenta uma série de perigos a serem considerados antes de tomar uma decisão. Ao optar pelo refinanciamento de um imóvel, o proprietário utiliza o valor existente de sua propriedade como garantia para obter um novo empréstimo, geralmente com taxas de juros mais baixas do que outros tipos de crédito. No entanto, é importante entender que essa modalidade de crédito implica em comprometer o próprio imóvel como garantia, o que pode acarretar em consequências graves caso não seja possível arcar com as parcelas do novo empréstimo. Um dos principais perigos do refinanciamento de imóvel está relacionado ao risco de inadimplência. Caso o proprietário não consiga cumprir com as obrigações do novo empréstimo, ele pode enfrentar a possibilidade de perder sua propriedade, já que o imóvel foi utilizado como garantia no contrato. Além disso, é importante considerar que o refinanciamento pode aumentar o prazo de pagamento, resultando em um acúmulo de juros ao longo do tempo e, consequentemente, em um encarecimento total da dívida. Outro ponto a ser observado é a avaliação do valor do imóvel. Em alguns casos, o proprietário pode superestimar o valor de sua propriedade, o que pode resultar em dificuldades na obtenção do empréstimo desejado. É fundamental realizar uma avaliação correta e realista do imóvel antes de decidir pelo refinanciamento. Além disso, é importante estar atento às taxas e custos envolvidos no processo de refinanciamento, que podem incluir taxas de avaliação, taxas de correção monetária, custos cartoriais e outros encargos. Esses custos adicionais podem aumentar significativamente o valor total do empréstimo e devem ser considerados na análise de viabilidade da operação. Em resumo, o refinanciamento de imóvel pode ser uma alternativa viável para quem busca uma opção de crédito com taxas de juros mais baixas, mas é essencial avaliar cuidadosamente os riscos e considerar todas as informações antes de tomar uma decisão. É fundamental buscar orientação de profissionais especializados e analisar as condições do contrato com atenção para garantir que o refinanciamento seja uma escolha segura e adequada às necessidades financeiras do proprietário.

"O futuro da evolução Imobiliária: Plataforma Digital

Imobiliária

"O futuro da evolução Imobiliária: Plataforma Digital

09/04/2024

Nos últimos anos, as plataformas imobiliárias têm se tornado cada vez mais populares e essenciais para o setor imobiliário. Com o avanço da tecnologia e o aumento do acesso à internet, as pessoas estão cada vez mais buscando imóveis online, tornando as plataformas imobiliárias uma ferramenta fundamental para a compra, venda e aluguel de imóveis. Uma das principais vantagens das plataformas imobiliárias é a facilidade de acesso às informações. Através dessas plataformas, é possível buscar imóveis de acordo com suas preferências, como localização, tamanho, preço e características específicas. Além disso, as plataformas oferecem fotos, vídeos e até mesmo tours virtuais dos imóveis, facilitando a escolha do cliente. Outro ponto importante é a transparência. As plataformas imobiliárias oferecem informações detalhadas sobre os imóveis, como histórico de vendas, valor do metro quadrado na região, entre outros dados relevantes. Isso ajuda os clientes a tomar decisões mais informadas e seguras na hora de comprar ou alugar um imóvel. Além disso, as plataformas imobiliárias também facilitam o contato entre compradores e vendedores. Através de mensagens instantâneas, é possível tirar dúvidas, agendar visitas e até mesmo fechar negócios sem sair de casa. Isso torna todo o processo mais ágil e prático para ambas as partes. Com o avanço da inteligência artificial e da análise de dados, as plataformas imobiliárias estão se tornando cada vez mais personalizadas e eficientes. É possível receber recomendações de imóveis com base no seu perfil, preferências e comportamento de busca, tornando a experiência do cliente mais personalizada e satisfatória. No futuro, as plataformas imobiliárias têm um grande potencial para revolucionar ainda mais o setor imobiliário. Com o uso de tecnologias como realidade aumentada e virtual, será possível fazer visitas virtuais aos imóveis, tornando a experiência mais imersiva e realista. Além disso, a integração com outras tecnologias, como blockchain, pode trazer mais segurança e transparência para as transações imobiliárias. Em resumo, a evolução das plataformas imobiliárias tem trazido inúmeras vantagens para o setor imobiliário, facilitando o acesso às informações, tornando o processo de compra e venda mais transparente e ágil, e proporcionando uma experiência mais personalizada para os clientes. Com o avanço da tecnologia, o futuro das plataformas imobiliárias é promissor e tende a revolucionar ainda mais a forma como lidamos com o mercado imobiliário.

Redução para Idade máxima para financiamento

Financiamento

Redução para Idade máxima para financiamento

09/04/2024

A redução da idade máxima para financiamento de imóveis tem sido uma tendência em diversos países, incluindo o Brasil, e isso se deve a uma série de razões que refletem as mudanças na sociedade e no mercado imobiliário. Esta medida foi introduzida para ampliar o acesso ao crédito e estimular o mercado de compra de imóveis, principalmente para os mais jovens e para aqueles que estão próximos da aposentadoria. A principal razão para a redução da idade máxima está relacionada ao aumento da expectativa de vida da população. Com as pessoas vivendo mais e mantendo uma boa saúde por mais tempo, é natural que também desejem adquirir sua própria casa ou apartamento em idades mais avançadas. Anteriormente, muitos bancos e instituições financeiras estabeleciam uma idade limite para concessão de crédito imobiliário, impedindo que pessoas mais velhas realizassem o sonho da casa própria. Outro ponto importante é a necessidade de estimular o mercado imobiliário e a economia como um todo. Ao reduzir a idade máxima para financiamento, mais pessoas podem ter acesso ao crédito imobiliário e, consequentemente, mais imóveis podem ser vendidos. Isso aquece a economia, gera empregos no setor da construção civil e impulsiona o mercado imobiliário como um todo. Além disso, a mudança na demografia da população brasileira também influencia essa decisão. Com o envelhecimento da população e o aumento do número de pessoas mais velhas no país, é importante garantir que essas pessoas tenham acesso a oportunidades de moradia e de financiamento, sem discriminação por idade. Em suma, a redução da idade máxima para financiamento de imóveis é uma medida que visa ampliar o acesso à moradia e estimular o mercado imobiliário, acompanhando as mudanças na sociedade e na economia. Essa medida representa uma oportunidade para mais pessoas realizarem o sonho da casa própria, contribuindo para o desenvolvimento do setor imobiliário e da economia como um todo. Essa redução também reflete a necessidade de flexibilização das regras do mercado imobiliário, tornando-o mais inclusivo e adaptado às demandas e características da população atual. Dessa forma, a medida visa atender às necessidades de diferentes faixas etárias e garantir que mais pessoas tenham acesso a condições favoráveis para a aquisição de um imóvel.  

Condomínio fechado no Brasil e seu crescimento

Condomínio

Condomínio fechado no Brasil e seu crescimento

09/04/2024

Nos últimos anos, temos observado um crescimento significativo na popularidade e demanda por condomínios fechados no Brasil. Esses empreendimentos imobiliários oferecem uma variedade de benefícios e comodidades que têm atraído um número cada vez maior de pessoas em busca de segurança, conforto e qualidade de vida. Uma das principais razões para o aumento da procura por condomínios fechados é a questão da segurança. Com a crescente preocupação com a violência urbana, muitas pessoas estão buscando locais mais seguros para viver. Os condomínios fechados oferecem portarias com controle de acesso, sistemas de vigilância e monitoramento, tornando-se uma opção mais segura para famílias e indivíduos que valorizam a tranquilidade e a proteção de seu lar. Além da segurança, os condomínios fechados também proporcionam um estilo de vida mais cômodo e confortável. Muitos deles contam com áreas de lazer, como piscinas, quadras esportivas, salões de festas, parques e espaços para caminhadas, proporcionando aos moradores um ambiente propício para o convívio social e o bem-estar físico e emocional. Outro ponto importante a se destacar é o aspecto da valorização imobiliária. Os condomínios fechados costumam apresentar uma maior valorização de seus imóveis ao longo do tempo, devido à infraestrutura e aos serviços oferecidos, além da maior segurança e qualidade de vida proporcionadas aos moradores. Isso faz com que investir em um imóvel em um condomínio fechado seja uma opção atrativa tanto para quem busca moradia própria quanto para quem deseja investir no mercado imobiliário. Diante desse cenário, não é surpresa que os condomínios fechados tenham se tornado uma escolha cada vez mais popular entre os brasileiros. Com a busca por mais segurança, conforto e qualidade de vida, esses empreendimentos se destacam como uma opção atraente para aqueles que valorizam esses aspectos em sua escolha de moradia. Assim, o crescimento dos condomínios fechados no Brasil parece ser uma tendência que veio para ficar.  Devido à infraestrutura, segurança e serviços oferecidos, os imóveis nesses empreendimentos tendem a se valorizar ao longo do tempo, tornando-se um investimento atrativo para quem busca rentabilidade no mercado imobiliário. Assim, a tendência de crescimento e procura por condomínios fechados no Brasil parece ser duradoura, refletindo as necessidades e preferências dos moradores em relação ao seu estilo de vida e bem-estar.

30360 vmrealize